06 set 2017

Os 9 pontos a serem analisados na segmentação do público-alvo

Planejamento Estratégico




Os 9 pontos a serem analisados na segmentação do público-alvo
4 (80%) 4 votes




Todos os dias as marcas precisam vender seus produtos e a propaganda é uma arma poderosa para ajudar nessas vendas. Desde a década de 50, quando a propaganda tomou corpo no Brasil, diversas marcas se tornaram enormes graças a estratégias bem montadas, mensagens certeiras e produtos de qualidade. Era um terreno enorme a ser explorado e por isso, que, o fez melhor, ganhou mais. Na propaganda, nem sempre quem sai na frente se dá melhor, mas quem sabe mais sobre seu público e como impactar é quem realmente faz a diferença.

Um bom exemplo é quando a Gillette passou ao falecido e genial diretor de planejamento, Helio Silveira Motta. Quem conta o case, é nosso parceiro na área de planejamento digital. Felipe Morais “o desafio era crescer no mercado de lâminas de barbear. Na época a Gillette tinha 99,5% de share, ou seja, a cada 100 lâminas vendidas, 99,5 eram da Gillette. O desafio não era pequeno, mas Hélio sabia duas coisas sobre o público-alvo que fizeram toda a diferença. A primeira é que as mulheres, na época, não gostavam de homens barbados, preferiam rostos lisos. A segunda, e mais importante, é que para atingir o coração do homem com uma mensagem, falar sobre ele ficar mais bonito e atraente para as mulheres é sempre um apelo extremamente forte e que ele ouve. Ao ver um produto, o cérebro do homem pergunta o que isso trará de benefício para ele, ao ter o benefício atrelado a conquista da mulher, é sempre um dos Top5 motivos para o homem comprar.”

Deu-se então uma campanha estimulando que os homens fizessem a barba diariamente, com isso, ao invés do homem comprar 1 lâmina de barbear por semana, comprava 3. Elevou as vendas. A estratégia é mais simples do que se imagina, mas é importante entender muito bem o comportamento do consumidor. O terreno da internet ainda é muito vasto e pouco explorado no Brasil e quando se entende o comportamento do consumidor online, que tem expectativas e acessos a informações diferentes da década de 70,80,90, as coisas começam a ficar mais claras.


Há preocupação com o consumidor online?


Os departamentos de marketing das empresas estão se tornando departamentos financeiros. Cada dia mais se preocupando muito pouco com comportamento online e muito com vendas. Isso tem tornado resumido o marketing em apenas mídia e quando se trata do marketing digital, o resumo se faz a mídias sociais, geração de leads e Google. O que é um enorme erro, pois o universo do marketing digital vai muito além de mídias sociais, aliás, o próprio Facebook, o principal representante desse segmento, é muito mais do que apenas um canal de mídia. Na sua essência, mídias sociais, ou Redes Sociais, são espaços sociais, ou seja, sociabilização, é conexão de pessoas com pessoas, que pode ser usado para conexão de pessoas com marcas, mas desde que essa conexão seja menos mídia, mais social.

Ultimamente, uma ação que tem sido muito usada é a geração de leads. Diversos segmentos como educação, automobilístico, imobiliário e serviços usam dessa técnica para gerar potenciais consumidores. No geral é feito sempre da mesma forma, uma landing page é divulgada nas mídias sociais, Google, banner. Ao chegar na landing page, o consumidor online baixa um e-book, normalmente, apresentando um certo número de dicas para que o consumidor online conheça mais sobre determinado mercado, por exemplo, “As 10 dicas para fazer um TCC melhor” oferecido por uma faculdade que está captando potenciais leads para seus cursos. Vale lembrar que isso é um pequeno pedaço de uma estratégia de marketing digital, mas não é o todo. A geração de leads é algo que funciona, mas quando se faz um bom trabalho de nutrir os leads e não apenas trazê-los para uma planilha de excel com nome, cidade e e-mail. Não se segmenta uma base apenas com esses campos. A segmentação da base vai além e entender o consumidor online é cada vez mais imprescindível para uma boa estratégia de marketing digital.


Como segmentar os comportamentos de consumo online na estratégia de marketing digital?


Abaixo, você vai entender como segmentar melhor seus públicos e como trabalhar com eles nas ações de marketing digital como mídias sociais, Google, geração de leads, banners, e-mail marketing entre outros. Vale a reflexão do case de Helio Silveira Motta, entender o consumidor online é o grande diferencial de uma estratégia de marketing digital.


PERFIL


Quem é seu consumidor online? Quanto ele ganha? Onde mora? Qual a sua classe social? Idade? Sexo? Que mídias ele consome? O que ele gosta de ler? Como ele interage nas mídias sociais? Como ele consome internet? Primeiro passo é entender esses dados para saber com quem a marca deseja falar. Infelizmente, a grande maioria das empresas ficam nesse primeiro passo. Ao criar uma estratégia de geração de leads, pode se começar pelas informações mais básicas, uma vez que para baixar um e-book ele só vai disponibilizar o e-mail, porém, é preciso ir a fundo nas questões acima, por isso, um outro e-mail, um ação de mídias sociais segmentada, um WhatsApp (caso ele tenha dado o telefone no cadastro) ou mesmo uma ligação, no mesmo dia que ele baixou o e-book, pode ser muito útil para a marca aprofundar mais esse perfil.


PERSONALIDADE


Em que seu consumidor online acredita? Quais os valores e suas atitudes? O que é aspiracional para esse consumidor online? O seu consumidor online tem um perfil mais pesquisador? Ele influencia ou é influenciado? Numa pesquisa focada nesse consumidor é possível entender esse perfil, nas mídias sociais é possível analisar o perfil também, o que mostra que mídias sociais não são apenas para fazer mídia.


PREFERÊNCIAS


Quais são seus interesses? O que as pessoas fazem para se divertir? Como e onde estudam? Preferem Netflix ou YouTube? Consomem mais Facebook ou Instagram? Leem e-mails? Consome portais de conteúdo ou apenas sabem das notícias nas mídias sociais? São algumas questões que as marcas precisam levantar para entender os apelos a serem usados em suas campanhas de marketing digital.


PRODUTOS E SERVIÇOS


O que os consumidores online compram? O que eles desejam? Pessoas compram o celular da Sony sonhando com o iPhone. Será que a sua marca não pode fazer algo para a pessoa ter o iPhone? Talvez, uma parceria com uma financeira para pagar esse iPhone em 24x? Classe C, por exemplo, deseja consumir produtos Classe A, mas não tem a renda da classe A, entretanto, essa classe se preocupa com a parcela e não com o preço final. Pensar nisso faz muita diferença na sua campanha de marketing digital, pois o apelo nas mídias sociais, por exemplo, será totalmente diferente para quem sonha com o iPhone. A propaganda vende sonhos, nunca esqueçamos disso.


PLACES


Onde os consumidores online estão? Apenas nas mídias sociais? 50 milhões de pessoas acessam, por dia, os principais portais de notícias por dia. O marketing digital vai além das mídias sociais. Onde frequentam? O consumidor online é avesso a shopping? Quais opções de compras da marca em outros lugares? E-commerce, lojas multimarcas, compras coletivas, um catálogo virtual com um call center e/ou chat para compras. Consumidor online as usa?


PROJETOS PESSOAIS


O que os consumidores online desejam para as suas vidas? Muitos desejam ser presidente de uma multinacional, mas poucos conseguem. Com o tempo, as ânsias das pessoas vão mudando, suas expectativas de vida também. O marketing digital consegue entender essas expectativas de uma forma muito melhor que o marketing tradicional, pois o digital possibilita um estudo de consumo online muito mais preciso. As pessoas deixam rastros nas mídias sociais, ainda mais, e por isso é possível entender. Quando, por exemplo, uma marca pensa em geração de leads e sabe os projetos, expectativas e frustrações das pessoas, ela consegue elaborar uma linha de conteúdos que possa ser desenhada apenas para um determinado público, que ao se sentir confortável com a marca, começa a entender que aquela é uma referência. O marketing digital busca sempre isso, que marcas se tornem referências para consumidores online. Se tornar referência para o consumidor é um passo enorme para que ele compre.


PESSOAS


O círculo de amizades do consumidor online influencia e é influenciado a consumir diariamente. As mídias sociais, por exemplo, são um campo vasto dessas influências, ali, as marcas podem não apenas estimular a influência, troca de conteúdos e até promoções, como também, pesquisar e entender como os consumidores online daquela marca influenciam uns aos outros. Essa pesquisa nas mídias sociais, por exemplo, podem ser pauta para projetos de conteúdo pensando na geração de leads, afinal, vale ressaltar que não basta gerar o lead, é preciso nutrir até que ele compre. Baixar o e-book não significa que ele vá comprar, mas que a sua mensagem pelo menos atingiu o primeiro ponto, a sua atenção.


PLATAFORMAS


Site, Blog, Mobile, Mídias Sociais, E-mails, Geração de leads, são apenas plataformas dentro de uma estratégia de marketing digital. São canais que levam a mensagem até o maior número de consumidores online possíveis, mas reforçando, consumidores que sejam segmentados e que estejam realmente interessados no produto a ser vendido. Ao elaborar o plano de marketing digital é preciso entender qual aderência o seu consumidor tem com cada plataforma para concentrar esforços. 100 milhões de pessoas usam o Facebook no Brasil por mês, mas qual a aderência do consumidor online da marca com o canal? Há pessoas, por exemplo, que entram e não interagem com marcas, propaganda e não seguem marca nenhuma por lá, se o consumidor online da marca está dentro desse perfil, a estratégia de marketing digital precisa ser revista quando o assunto for mídias sociais.


PROPOSTA DE VALOR


Quais atributos a marca oferece ao consumidor online. Se a marca ainda vende produtos, é preciso repensar o cenário. Pessoas não compram mais produtos, compram experiências, compram sonhos, compram até mesmo o vendedor. As mídias sociais são um terreno fértil para vender esses sonhos.O produto é apenas o entregável e enxergar isso muda tudo no dia a dia da empresa e mais ainda na estratégia de marketing digital.


Mas como usar isso no dia a dia?


Simples no pensamento, mas nem tanto na execução. É preciso pesquisar nas ruas e ir além do simples. Sentar e ouvir o consumidor online, conversar, entender por que compram, como compram e onde compram. Saber seus desejos e anseios, entender os seus momentos e como desejam ser impactadas. A própria estratégia de geração de leads pode ser um canal de pesquisa e conversa a partir do momento da nutrição desse lead.

Repense o seu marketing digital periodicamente com foco no seu consumidor. As chances dos resultados serem melhores são enormes.






Escrito por: Equipe Guia-se







Os 9 pontos a serem analisados na segmentação do público-alvo
4 (80%) 4 votes


Deixe um comentário










Serviços

Confira os serviços que a Guia-se oferece




Criação de sites

saiba mais

Loja Virtual

saiba mais

Mídias  Sociais

saiba mais

Inbound Marketing

saiba mais

E-mail Marketing

saiba mais





Saiba mais sobre as nossas franquias de marketing digital

0800 Guia-se

Ligue gratuitamente e fale com um de nossos consultores

Ligue agora!

Fale conosco

Ou se preferir, preencha nosso formulário!

Enviar Mensagem


Fale com um de nossos consultores
X

Calma! Não vá embora ainda!

Nos ajude a entender melhor o que precisa.







Encontrou o que queria?


Foi fácil navegar?


Dê uma nota em nosso site


Quer falar com a gente?


Please leave this field empty.