23 ago 2017

Como fazer remarketing. Converta seus visitantes de forma rápida e eficiente!

Links Patrocinados








Estratégias de Remarketing, quando usada de forma planejada e com mensuração diárias conseguem impulsionar muito as vendas do seu site. O Remarketing não é a salvação da pátria, mas se bem feito, é um grande parceiro para o seu negócio.


Fazer Remarketing ou retargeting é um termo muito usado nos últimos anos dentro do universo do marketing digital. Ele pode ser feito através do Google, Facebook ou ferramentas como Criteo, especializadas nessa estratégia e tem sido um excelente canal para as marcas, entretanto, antes de fazer Remarketing é preciso conhecer alguns passos, ter uma estratégia muito bem planejada e mensurar seus resultados várias vezes ao dia, entender sua performance e engajar aquele potencial consumidor da sua marca, do contrário, é jogar dinheiro no lixo.

Vamos, primeiro, entender a essência do Remarketing para uma marca. Um usuário entra no site da marca A. Um “cookie” é instalado no computador desse usuário que “avisa” o site que esse usuário por algum motivo entrou no site. E aqui, estamos falando de site institucional ou e-commerce, pois há sempre, conversão em ambos, depende apenas da estratégia de marketing digital que cada marca possui. O Remarketing entende que aquele usuário está interessado na marca e vai impactar esse usuário até que ele converta para o objetivo desejado, se é e-commerce, vendas, se é site institucional, pode ser preencher o cadastro para saber mais sobre um produto que será lançado em breve, por exemplo.

Dentro do universo de marketing digital, campanha no Google, são essenciais. Pesquisas mostram, que em sites de e-commerce, por exemplo, o Google representa 59% dos acessos a um site mensalmente, um número considerável. Google Adwords, também conhecido como Links Patrocinados, é a forma com a qual anunciamos no Google via compra de palavras-chave é o que mais representa dentro desses 59%, seguido de estratégias de otimização (SEO) e Remarketing. Cerca de 95% das pessoas com acesso a internet no Brasil, aproximadamente 120 milhões, acessam o Google ao menos uma vez ao ano. Esse é um dado que não pode ser deixado de lado, mas vale lembrar para fazer uma campanha no Google Adwords ou fazer Remarketing é preciso planejamento, estratégia e muita mensuração de resultados. Seria muito fácil se não precisasse disso, mas grandes campanhas, com grandes resultados tem grande planejamentos, execuções e mensurações.

O segundo passo para fazer Remarketing é antes fazer uma ação de Google Adwords, onde se faz o primeiro estímulo para acessar ao site, entretanto, o Remarketing não é para ser usado apenas para quem veio do Google e sim para qualquer acesso ao site, seja por estímulo de mídia (Google Adwords, Banner, Mídia Programática), por ações de relacionamento (E-mail marketing, Newsletter, SAC 2.0), Redes Sociais (Facebook, FaceAds, Twitter) ou mesmo que seja por acesso direto ao site, que pode, às vezes, ser estimulado por uma campanha na TV, Rádio, Revista ou Jornal.

Feito esses estímulos, é hora de impactar todos aqueles que acessaram o site e tiveram os cookies instalados em suas máquinas, impactar 100% das pessoa que acessaram o site é a primeira estratégia a ser feita dentro do conjunto tático do Remarketing. Nem 1% das pessoas entendem que é necessário limpar os cookies de suas máquinas, por isso, essa ação se torna muito eficiente. Muita pessoas, ainda mais aquelas que pouco conhecem estratégias de Remarketing, chegam a reclamar dizendo que mal entraram no site A ou B e lá vem um banner no Facebook mostrando o produto que viram segundos antes, porém, por mais que as pessoas reclamem, elas acabam clicando e comprando. Nenhuma mídia é vista com “bons olhos” sempre foi chato no meio do capítulo da novela, no momento daquela grande revelação, o comercial entrar, no meio de uma cena de suspense no filme ou até mesmo no meio da principal entrevista da revista ter um anúncio, às vezes, o mais caro entre as páginas internas da revista. Fazer Remarketing é apenas mais uma dentre várias estratégias de mídia digital que compõe o guarda-chuva do marketing digital.

O marketing digital ensina que a segmentação é a grande arma para as vendas elevarem. O Google Adwords e o FaceAds (ferramenta de compra de mídia no Facebook), por exemplo, estão, ao lado do e-mail marketing, entre as táticas mais fortes de segmentação. No Remarketing é possível criar grupos para determinados produtos, ou seja, um site institucional de uma montadora, pode criar listas de Remarketing que possam apresentar o modelo 1.0 para um grupo, o Sedan 1.4 para outro e a SUV para outro, assim, como pode ser feita uma lista para visitantes que já converteram e para aqueles que nunca converteram. O objetivo é sempre o mesmo, trazer aquele usuário que acessou o site uma vez e não converteu para que converta. Há sempre aqueles que entraram 1 vez, talvez, para conhecer, mas há aquele que “namoram” o produto por alguns dias, entram diversas vezes. O que entrou uma vez, recebe uma comunicação, o que entrou mais, outra.


Mas e quem converteu? Não precisa mais impactar?


Com certeza precisa. Se é um e-commerce e o usuário comprou um produto que há possibilidade de recompra, como um desodorante, por exemplo, é possível impactar esse usuário 15 a 20 dias depois da compra, talvez com uma oferta, ou apenas lembrando que ele, talvez, precise comprar novamente o produto. Se o usuário fez o cadastro para fazer um test-drive online e fez, ele pode ser impactado com um convite para ir a concessionária conversar com o Sr. Waldemar, que é o vendedor da concessionária mais próxima da casa dele. E qual a diferença dessa ação de Remarketing para um disparo de e-mail? É que no Remarketing eu consigo impactar com mensagens de acordo realmente com a navegação e interação do usuário.

O Facebook é outro canal de muita importância para fazer Remarketing. As campanhas de Remarketing podem ser entregues aos usuários via e-mail, banner em sites/portais/blogs, mídia mobile, no próprio site, SMS ou na Redes Sociais, sendo o Facebook o principal. Dentro da sua estratégia de marketing digital, o ideal é sempre focar naquele usuário realmente interessados. Se o usuário entrou no site uma vez, viu o Remarketing 4 ou 5 vezes e não voltou, ele não quer se relacionar com a marca. Motivos? Estava apenas pesquisando, não gostou do site, achou caro o produto, comprou na concorrência, comprou na loja física, comprou no Mercado Livre com um preço melhor, desistiu de comprar aquele produto, o fará daqui 3 meses quando receber o 13o, viu em um dia, foi demitido no outro. Motivos tem aos montes e ainda é impossível, saber a todos, mas se o usuário viu 5 vezes o banner, novamente, mesmo com desconto ou outro apelo e não clicou ou não voltou, de nada adianta, continuar gastando verba com FaceAds ou Google Adwords, este usuário não voltará. Por isso, mensurar seja, talvez, a tática-chave para o sucesso da campanha, pois se investe esforços e dinheiro em pessoas que realmente estão interessadas. O segredo está aí, achar, as pessoas realmente interessadas e direcionar as campanhas de Google Adwords, FaceAds, Email, Mobile e as outras dentro do mix de marketing digital para impactá-las. O mercado imobiliário, por exemplo, é algo que explora muito mal esse recurso, pois o usuário acessa um apartamento de 2 dormitórios com piscina no bairro A e o Remarketing lhe aparece no Facebook com esse apartamento, mas também com mais 7 opções de outros apartamentos maiores, em bairros muito distantes um do outro e em muitos casos, até em outras cidades ou estado. No marketing digital o que importa não é vender, é impactar o consumidor certo, no momento certo e se relacionar com ele, seja por conteúdo, FaceAds, Google Adwords, Email ou o próprio site. Isso bem feito, ele vai comprar, seja uma caneca, um desodorante, um carro, uma viagem ou um apartamento.

Por fim, faça muitos testes, principalmente, os teste A/B que mostram exatamente qual a mensagem aquele público deseja. Quando mencionamos planejar antes, é preciso definir alguns pontos antes de sair investindo em Google Adwords ou FaceAds por exemplo. Um check list interessante é:


Qual o objetivo do site?
(Venda, cadastro, conhecimento de produto, acesso ao vídeo, download de material?)

Qual o público-alvo?
(Marca, site, produto, serviço)

Qual a meta da campanha?
(Aumentar em 30% as venda? Elevar em 42% o conhecimento do produto? Ter 20 mil views no vídeo do site em 2 meses? Ter 40 mil download do e-book A e 20 mil do artigo B?)


Definido esses passos, agora é ir para algo mais estratégico:


Qual estratégia de Remarketing será usada?
(Só exibirá em Redes Sociais? Usará uma ferramenta específica como Criteo? Fará banner apenas na Rede do Google? Usará o Google Adwords para isso?)

Quais produtos serão o foco da campanha?
Estudos e planejamento feito, é a hora de pensar no tático

Quais os grupos de Remarketing serão montados?

Qual a mensagem para cada grupo?
(Quem entra 2 vezes vai ver tal apelo de comunicação, quem entra 4 outro, quem comprou outro, quem está na Newsletter outro) – Esses são alguns exemplos dentro de um universo de táticas de marketing digital.


Mais importante do que o canal é a mensagem. Pense nisso sempre. Os canais de marketing digital estão disponíveis, há vários como os já citados FaceAds, Google Adwords, E-mail, Mobile, Blog, banner em portal, mas sem uma mensagem persuasiva e que represente o que o consumidor quer ouvir, a campanha tende a ser um fiasco, dinheiro jogado fora,

Por fim, mensure tudo, minuto a minuto e possível. Google Adwords, é notório, que a marca pode estar em 1o no Google agora, daqui 10 minutos estar em 3o e com isso perder vendas, logo, essa lógica pode ser pensada no Remarketing, não de posicionamento em si, mas em termos de monitoramento para não ter dinheiro desperdiçado:


Qual campanha está dando mais retorno?
(Grupo de Remarketing, anúncio, apelo, canal)
Qual está dando menos?
Qual dá acesso e não converte?
Qual grupo que não está interessado?
Qual canal dá menos resultado?
Qual canal dá mais resultado?

Essas são algumas, talvez, as principais métricas a serem analisadas. Cada campanha, marca, produto, terão as suas específicas, sem dúvidas, mas é preciso que depois de listadas, elas sejam mensuradas e que isso dê embasamento para mudanças de rumo. E se preciso, mudança de uma campanha inteira!






Escrito por: Equipe Guia-se









Deixe um comentário










Serviços

Confira os serviços que a Guia-se oferece




Criação de sites

saiba mais

Loja Virtual

saiba mais

Mídias  Sociais

saiba mais

Inbound Marketing

saiba mais

E-mail Marketing

saiba mais





Saiba mais sobre as nossas franquias de marketing digital
Fale com um de nossos consultores