14 out 2020

Iniciamos o 2º Dia da 10ª Convenção Guia-se 100% Online da melhor forma: franqueados relatando cases de sucesso de seus clientes através das vendas pela Internet. Foram histórias incríveis de transformação de empreendedores que estavam desanimados com as vendas, até que contrataram a Guia-se e viram seus resultados aumentarem exponencialmente com a Internet. 

Às 09:00, iniciamos nossas palestras com mais empresários incríveis! Confira.

05 motivos: porque sua estratégia nas redes sociais não dá certo

Rafael Kiso, fundador da mLabs, eleito o Melhor Profissional de Planejamento Digital, trouxe cinco motivos pelos quais sua estratégia nas redes sociais não dá certo. Confira: 

1 – Likes não pagam contas, vendas sim! 

Rafael citou a importância do engajamento, mas lembrou que este não pode ser o objetivo inicial na jornada do cliente. Isso porque o engajamento surge apenas após a experiência de compra, porque um cliente não gastará energia com o que ele não conhece. Isso só ocorrerá após a experiência. Por isso, fique tranquilo se o seu engajamento ainda estiver baixo.



Então, primeiro, o investimento deve ser em campanhas, em aparecer no radar do cliente. Após a compra, que cria uma experiência para o cliente, é que ele irá se engajar com a marca, podendo gerar novas vendas. Este é o famoso efeito Boomerang.

2 – Há busca além do Google

Além do Google, existem outras formas que um cliente pode buscar um produto ou serviço, disse Rafael. Existe Facebook, Instagram, Youtube e Pinterest.

Uma observação interessante que Rafael trouxe, foi com relação ao número de hashtags utilizadas nos posts. Muitas pessoas investem em 30 hashtags de uma vez, mas os posts com mais engajamento tem no máximo 7. Por isso, não adianta alcançar muitas pessoas se não tiver interação. Alcance vazio não gera venda! 

3 – Gere identificação para quebrar a objeção

UGC, em inglês, significa Conteúdo Gerado pelo Usuário. Rafael citou a importância de estimular o consumidor a postar foto com seus produtos e serviços, pois isso gera credibilidade e segurança nos futuros clientes. Por isso, incentive seu cliente a postar e marcar a loja no Instagram, oferecendo algum benefício para ele. Invista também no Google Meu Negócio, focando em avaliações.

4 – Transforme seus clientes em promotores

Realize pesquisas sobre seu produto ou serviço. Identifique as que deram as melhores notas, monitore essas pessoas. Faça posts, promoções e conteúdos exclusivos para elas. Assim, elas mesmas serão os promotores da sua marca.

5 – Aplique a Lei de Pareto nas redes sociais

Rafael trouxe a Lei de Pareto aplicada nas redes sociais. Assim, utilize apenas 20% dos conteúdos focados em vendas de produtos e serviços e 80% dos conteúdos focados em engajamento, conteúdos compartilháveis. Construa uma mensagem através de um planejamento, poste fotos reais. 

Ressaltamos que o Rafael Kiso escreveu um livro juntamente com a Martha Gabriel, chamado “Marketing na era digital: Conceitos, plataformas e estratégias”. Vale a leitura! 

Empreendedorismo Feminino

Na sequência, tivemos a participação da Adriana Auriemo, sócia diretora da Nutty Bavarian, Diretora de relacionamento e microfranquias da ABF e Mentora Endeavor. Ela iniciou sua palestra relatando que não acreditava na diferença de oportunidades entre homens e mulheres no meio profissional, afinal, foi criada com 3 irmãos e teve o mesmo tratamento e educação. Cresceu com a ideia de que poderia ser o que quisesse, porém, quando começou a empreender, passou por diversas situações onde era nítido essa diferença. 

Adriana citou uma situação em que ela foi até um evento de lojistas, afinal, ela era uma. Porém, neste evento, ela percebeu a forma como os homens citaram as mulheres, como se fossem apenas acompanhantes/esposas, e não lojistas. Neste mesmo evento, ela percebeu como eram poucas as mulheres em cargos executivos. Porém, tem visto uma nova geração onde essa diferença está ficando cada vez menor.

Fabiana Estrela, Diretora-proprietária da Estrela Franquias, franqueadora da Caverna do Dino/Barriga Verde, rede de lojas de Solução para o Enxoval do Bebê, também relata que não entendia essa diferença quando criança, mas teve a mesma experiência da Adriana quando começou a empreender. Porém, ela tem notado uma mudança e evolução quanto a essa diferença dos sexos, por essa geração ser muito evoluída.

Ela também conta que apesar dessa diferença entre os gêneros seja histórica, as mulheres estão se empoderando ao longos dos anos, não para se igualarem aos homens em tudo, mas, sim, para ter a oportunidade de escolher se quer trabalhar para ganhar mais ou investir em outras áreas da vida, como família e vida social, como preferirem.

A história do empreendedor e multifranqueado – O Boticário

Após uma conversa incrível sobre empreendedorismo feminino, tivemos mais uma história fantástica do empreendedor e multifranqueado O Boticário, Erik Cavalheri, franqueado com operações das marcas O Boticário, Qdb e SubGlass Hut, contou sua história. Ele não nasceu no Brasil, quando chegou no país não tinha condições de pagar um colégio particular,então estudou em escola pública. Prestou vestibular para universidades públicas, mas não passou. Por isso, começou a procurar emprego até que conseguiu no caixa de um banco. Então, focou no plano de carreira dentro do banco, chegando ao cargo de tesoureiro.

Um dia, contou Erik, seu chefe mencionou que um amigo estava montando uma perfumaria e que precisava de um vendedor que falasse inglês, oferecendo o cargo a ele, que não aceitou. Dois dias depois, o chefe pediu que Erik entregasse um envelope no endereço de uma loja. Chegando lá, ele percebeu que se tratava de uma entrevista e o dono do estabelecimento ofereceu mais que o dobro do salário que Erik recebia no banco e ele aceitou a proposta.

Como sempre, Erik fez seu melhor trabalho na loja e logo foi promovido a gerente, ficando 5 anos no cargo. Até que foi promovido a supervisor de todas as franquias do O Boticário. Mas ele ainda queria mais, por isso, mesmo sem dinheiro suficiente, decidiu comprar uma loja da rede, que não estava gerando lucros. Negociou muito e conseguiu.

Após a primeira loja, ele conseguiu comprar uma segunda, mas que trouxe muitos prejuízos. Mesmo assim, ele não desistiu e continuou adquirindo experiência. Assim, mesmo sem dinheiro, foi se arriscando, acreditando na sua capacidade de gestão. Daí em diante, ele começou a fazer investimentos em outras marcas, hoje mundialmente conhecidas, como: Qdb, New Era, SunGlasses, entre outras.

Assim, entendemos que Erik soube aproveitar as oportunidades e não teve medo de se arriscar. História que traz inspiração para empreendedores e principalmente para Franqueados. 

Qualquer que seja a tarefa que venha fazer, faça seu melhor e bem feito. Faça o certo!

De vendedor de sorvete à empresário de sucesso

Antes da pausa para o almoço, foi a vez do Elizeu, Empresário Pezão Bar, mais conhecido como Pezão, tem 10 irmãos, é de Paranavaí, noroeste do Paraná. Quando tinha 8 anos, ganhou uma galinha e um pintinho, pegou um galo emprestado e fizeram mais 150 galinhas, com ajuda do seu pai que foi seu maior incentivador. O pai dele queria que ele fosse médico, como ele não gostava de estudar, começou a trabalhar. Vendeu as 150 galinhas, e começou a empreender, primeiro com bicicletas, depois vendeu paçoca, e também sorvete.

A família veio para Indaiatuba, sem conhecer ninguém, trabalhou em diversas funções. Até que um de seus trabalhos, que era em um frigorífico, e quando a empresa foi dar o sapato pra ele trabalhar, não servia, pois ele tinha os pés muito grande, foi daí que surgiu o apelido “Pezão’’.

Com sede de empreender, Pezão abriu uma loja de material de pesca. Depois, teve a ideia de abrir um bar, e o chamaria de “Pezão Bar”, mas sua mão não o apoiou. Então, abriu com o nome “Fish Beer”, que logo mudou para “Casa do Peixe”. Não conseguiu administrar os dois negócios ao mesmo tempo. Acabou se endividando e, por isso, decidiu fechar o bar, pois acreditou que seria melhor fazer apenas um bem feito. 

Por fim, optou por retomar o bar dentro da loja. Iniciou oferecendo caldos gratuitamente para os clientes da loja de pesca. Precisou pegar dinheiro emprestado para ampliar o local e o cardápio, contou com a ajuda de muitos amigos. E esse foi o começo do restaurante mais famoso da cidade de Indaiatuba – SP: o Pezão Bar! Atualmente o restaurante recebe, em média, 30 mil clientes por mês. O restaurante é conhecido também, por servir porções gratuitamente na fila de espera, isso porque Pezão acredita que “é dando que se recebe”. 

Foi uma palestra muito inspiradora, de um empreendedor desde criança, que mostrou a todos os presentes o longo processo que, muitas vezes, passamos até alcançar o sucesso em algum projeto. 

Workshop de Vendas

Para encerrar o evento com chave de ouro, André Girotto, que é CEO da Netprofit Company, Autor dos livros Menos Rambo Mais Sniper e High Performance, trouxe um incrível Workshop sobre vendas. O especialista esteve presencialmente na sede da Franquia, em Indaiatuba, no estúdio preparado especialmente para a Convenção, trazendo o tema de forma muito dinâmica, pedindo a colaboração dos franqueados a todo momento, para responder questões e refletirem. 

Inicialmente, o palestrante trouxe a questão: Qual a diferença entre o imã e o prego?

André responde a questão explicando que existem semanas que nada dá certo, que nos esforçamos, mas não fechamos boas vendas, ele diz: “tomamos marteladas”. Por outro lado, existem semanas que as coisas acontecem sem muito esforço, os clientes aceitam as propostas e as vendas boas começam a acontecer, e esse é o efeito ímã. Quando se trata de venda, vivemos oscilando entre o imã e o prego, relata André.

Entre interações e dinâmica de vendas com os participantes, ele explica os 3 tipos de negociadores, que são:

O tipo “Tubarão”, é o perfil de vendedor mais agressivo, que trabalha com o foco no fechamento.
O tipo “Carpa”, é o perfil de vendedor mais calmo, que não tem tanta pressa para o fechamento e gosta de seguir esse processo com mais cautela.
Por fim, o tipo “Golfinho”, é o perfil mais estratégico, inteligente. Sabe a hora certa de “atacar”.

André explica que o ser humano geralmente age de forma defensiva, e isso não é diferente no processo de venda. O instinto do cliente sempre será de se defender no primeiro momento, muitas vezes sem saber do que está se defendendo. No segundo momento, mesmo já decidido pela compra, ainda existe o medo de fazer um mau negócio, perder dinheiro e até mesmo de encontrar uma oferta melhor. Aqui o cliente ainda é movido pela emoção. Apenas depois de analisar todos os fatores anteriores, o cliente age de forma racional, decidindo pela aquisição do produto ou serviço.

O palestrante relata que esse processo existe, pois hoje em dia, os compradores mudaram, e cita alguns motivos dessa mudança, por exemplo: clientes mais informados, são mais abordados, cada vez com menos tempo e disponibilidade, menos paciência, interessados apenas nos resultados.

O especialista também explica como funciona o processo de vendas, que exige um planejamento, através dos tópicos a seguir:

Sintonia: O vendedor precisa ter profundidade em cada segmento, mostrar que conhecemos as necessidades e as dores de cada cliente.

Mapear oportunidade: Falar menos e ouvir mais. Fazer perguntas estratégicas para encontrar a dor do cliente, entender os desafios, gerar uma confiança e mostrar que existe esperança de melhoria. 

Solução: mostrar as formas de melhoria na prática, é nessa etapa que o vendedor conquista a confiança do cliente, por mostrar que sabe como ajudá-lo.

Negociação: Começar devagar, com pouco. Não sugerir melhorias de alto risco e com alto investimento. 

Fechamento: Nessa etapa o cliente já confia no vendedor, já está mais esperançoso com mudanças positivas, e com grandes expectativas.

Desta forma, o palestrante encerra mostrando como desenvolver a venda da melhor forma e de uma maneira muito dinâmica, mais uma vez contou com a participação dos franqueados presentes, inclusive do CEO José Rubens, para representar alguns exemplos. 

Encerramento e Programa de Excelência

Após dois dias de palestras incríveis, José Rubens encerrou a Convenção relatando momentos marcantes de 2020, desde o início, com grandes planos, até a chegada da pandemia. O CEO da Guia-se citou o momento em percebeu que teria que mudar todos os planos, mas que teve ao seu lado todos os franqueados e colaboradores e, neles, encontrou forças para continuar e ajudar todos os franqueados, clientes e pessoas envolvidas com a Guia-se. Assim, foi possível adaptar-se, fazer uma boa gestão de crise e dar a volta por cima.

E como acontece todos os anos, a franqueadora realizou uma premiação para os franqueados que mais se destacaram em atendimento de excelência. Foi um momento único de reconhecimento e muitas emoções.

O 2º Dia da 10ª Convenção Guia-se 100% Online  foi um sucesso! O novo formato, totalmente online, criou a possibilidade de romper distâncias, facilitando para que todos pudessem estar presentes, mesmo de forma virtual. 

Essa é a essência da rede: gerar FELICIDADE através da Internet. Objetivo que, com certeza, foi alcançado neste evento! 



Nossas unidades

SOMOS + DE
140
AGêNCIAs

Brasil: 13 estados | 68 cidades